Poemas Tentados - Pandemia 2

28/ 02 /2021

Pandemia 2

Assassino invisível,

adentra sem ruído,

de imediato nem se nota,

mas replica aos bilhões,

em todo lugar se alastra,

Ásia, Europa, América, Alasca,

malsinada praga que prolifera,

atinge quem se aproxima

ou se aglomera,

aproveita-se do contato facial,

astuciosa sórdida fera,

infecta a vítima universal,

maltrata, penetra, contamina,

dizem que saiu do morcego

ou de alguma peçonha animal,

para alguns pode ser um óvni

trilhões de zumbis disfarçados

ou outra transfiguração do mal,

assassino de amontoados,

escamoteia-se no espirro,

vai da boca ao organismo,

domina os pulmões

com o seu surto virulento

de bandido maldito,

que deve ser combatido

pela Ciência em movimento.

categoria: Poemas Tentados