Poemas Transcritos

28/ 05 /2017

Monólogo

Ficassem

um só dia com fome

notando que ilusão

é sonho e não se come…

 

Passassem

em trapos vestidos

vendo alguém em sedas

e de joias revestido…

 

Dormissem

uma só noite ao relento

tendo por abrigos

o medo, o frio, o vento…

 

Certas mentes

nunca sentiriam tédio

certamente….

(Everaldo Dantas da Nóbrega)

categoria: Poemas Transcritos
22/ 04 /2017

O Olhar

O olhar é o que me assusta e me encanta.

É o que me acolhe e me afasta de mim e do outro.

Tão simples e tão marcante!

Perco-me no brilho e no símbolo que se expressa.

O que dizer de mim, se o que sou ultrapassa o meu próprio espaço?

O que dizer de mim, se o olhar do outro me diz quem sou?

Dentro dessa enorme dimensão, pretendo descobrir.

(Fernanda Leite Bião)

 

categoria: Poemas Transcritos
19/ 03 /2017

Afiada

Uma cena

dos tempos imberbes

vez por outra

me corta a rotina:

meu pai, pelo de carneiro

no pincel

fazendo a barba

e minha admiração

ao lado da pia

pela sua coragem

de deixar um homem

perigoso como ele

chegar tão perto

do seu rosto

com uma navalha.

(Ney Valle)

categoria: Poemas Transcritos
05/ 03 /2017

Canção

A mão que estendes

é a mão sofrida

do amor que chega

já de partida

na entrega a ânsia

da despedida

o pão da morte

no chão da vida

(Millôr Fernandes – letra para música de Fagner, 1984)

categoria: Poemas Transcritos
23/ 02 /2017

Bobo

te tendo, tudo é resto

nada é mais

e viveria sem reclamar

só dos teus restos meridionais.

dos teus restos de cheiro

dos teus restos de vinho

dos teus restos de muitos

dos teus restos sozinhos.

dos teus restos de ciúmes

dos teus restos de dinheiro

dos teus restos de pedaços

dos teus restos inteiros

dos teus restos de cama

dos teus restos de jardim

dos teus restos de paz

dos teus restos ruins

dos teus restos de riso

dos teus restos de fado

dos teus restos de sol

dos teus restos molhados

te tendo, tudo é resto

e mais nada

e viveria sem reclamar

só dos teus restos de madrugada

te tendo, tudo é resto

nada mais é

e viveria sem reclamar

só dos teus restos de mulher

te tendo, tudo é resto

e teu resto é prato fundo

não me deixe comer

só dos restos do mundo.

(João Batista – JB)

 

categoria: Poemas Transcritos
17/ 01 /2017

Traduzir-se

Uma parte de mim

é todo mundo;

outra parte é ninguém;

fundo sem fundo.

Uma parte de mim

é multidão;

outra parte estranheza

e solidão.

Uma parte de mim

pesa, pondera;

outra parte

delira.

Uma parte de mim

almoça e janta;

outra parte

se espanta.

Uma parte de mim

é permanente;

outra parte

se sabe de repente.

Uma parte de mim

é só vertigem;

outra parte,

linguagem.

Traduzir uma parte

na outra parte

– que é uma questão

de vida ou morte –

será arte?

(Ferreira Gullar)

categoria: Poemas Transcritos
05/ 01 /2017

Seiscentos e sessenta e seis

A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são 6 horas: há tempo…

Quando se vê, já é 6ª feira…

Quando se vê, passaram 60 anos…

Agora, é tarde demais para ser reprovado…

E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade,

eu nem olhava o relógio

seguia sempre, sempre em frente…

E iria jogando pelo caminho a casca dourada

e inútil das horas.

(Mário Quintana)

 

categoria: Poemas Transcritos
29/ 12 /2016

Vamos beber a tarde?

Nada como uma sinfonia de Beethoven,

um lápis, um papel, um copo, uma tarde.

Beije nos lábios o sonho

e deixe-o passar assim dormente.

Sopre no ouvido o espanto

e deixe-o viver assim dolente.

(J. Neumanne Pinto)

categoria: Poemas Transcritos
24/ 12 /2016

Natal

Dorme enquanto eu velo…

Deixa-me sonhar…

Nada em mim é risonho.

Quero-te para sonho,

Não para te amar.

A tua carne calma

é fria em meu querer.

Os meus desejos são cansaços,

nem quero ter nos braços

meu sonho do teu ser.

Dorme, dorme, dorme,

vaga em teu sorrir…

sonho-te tão atento

que o sonho é encantamento

e eu sonho sem sentir

(Fernando Pessoa)

categoria: Poemas Transcritos
09/ 12 /2016

Paz aos heróis

Paz aos heróis para

que adormeçam abraçados a seus escudos,

a sua bandeiras, a suas amadas.

Paz aos heróis no leito das armaduras,

no dorso dos corcéis dilacerados,

no tombadilho das galeras naufragadas,

no sono dos submarinos que não voltaram,

na rede das trincheiras, no ventre das casamatas,

na lareira dos aviões feridos.

Paz aos heróis em seus lares de ondas,

em suas infâncias aladas em suas

núpcias com a terra.

(Paulo Bomfim)

 

categoria: Poemas Transcritos